Recordar é viver: Shenmue, o início da revolução nos games

1999, um ano repleto de medos sobre o fim do mundo previsto por Nostradamus, o fim do mundo devido ao Bug do Milênio, também foi um ano maravilhoso para os amantes do games.

Antes de falar deste game, não tem como não citar sua plataforma. O console que trouxe ao ocidente as primeiras partidas online fora do computador: o Sega Dreamcast, que em 2001 foi destinuado pela Sega, que desde então deixou de ser uma concorrente da Sony e Nintendo e passou a trabalhar para elas.

A indústria da época começava a tratar os games com um pouco mais de respeito e investir um pouco mais do que o costume, processo que se iniciou em 1997 com o lançamento do game Final Fantasy VII para Playstation, a então plataforma dominante no mercado (mesmo com a chegada do Nintendo 64, de 64bits, o Playstation, que era de 32 bits marcou presença forte e desbancara seus concorrentes Sega Saturn e Neo Geo).

Em 1999 foi anunciado um game que revolucionaria toda a história dos videogames, criando um novo gênero, que ficaria entre a ação, a exploração e o Role Playing Game. Este novo gênero recebeu o nome “FREE” (Full Reactive Eyes Enterteinment) e seu criador, Yu Suzuki, que trabalhou na criação dos games do Sonic, Out Run, Virtua Fighter, Virtua Cop e Space Harrier. O nome do game é Shenmue, que custara U$ 47 milhões de dólares em 1999.

Shenmue foi um projeto idealizado para ser rodado no Sega Saturn, mas o fraco poder de processamento 3D da plataforma não suportaria o que estava previsto no projeto (assim como aconteceu com Sonic Adventure). Outro fator interessante, é que a ideia original de Shenmue começou como um game que contaria a origem do personagem Akira, de Virtua Fighter.

O console Dreamcast, da Sega, deu início a geração de 128bits
O console Dreamcast, da Sega, deu início a geração de 128bits

Shenmue contava a história de um jovem chamado Ryo Hazuki, que, após ter seu pai assassinado por um mestre das artes marciais chamado Lan Di, (que por sua vez estava em busca de uma medalha chamada “Espelho do Dragão”), resolve partir em uma investigação que culminaria em um encontro final e na fuga de Lan Di para Hong Kong e daí iniciaria a sequência do jogo.

As diferenças

Shenmue começara como uma obra de arte digna de cinema. Embora seus gráficos não fossem polidos como os de hoje e as expressões dos personagens parecessem texturas, Shenmue trouxera algo único: cada personagem que Ryo interagia possuia uma personalidade unica, uma voz única. Mais de 200 dubladores trabalharam no projeto.

Shenmue_Set2_109
As texturas, embora pobres, não diminuiam a beleza de Shenmue

A jornada diária de Ryo começava todos os dias às 8 horas da manhã. Às 19hs, um pequeno vídeo mostrando as redondezas de onde ele se encontrava marcava que era chegada a noite. O comércio abria às 10hs e fechava às 19hs e Ryo possuia acessórios, como um relógio, que lhe permitia acompanhar as horas. Também era possível comprar itens em máquinas (como aquelas que vendem “bolinhas perereca” e colecioná-los). Tais itens eram sempre relacionados aos personagens e elementos dos games da Sega. O jogador poderia levar Ryo a uma loja de Arcades e jogar os clássicos da Sega, como Out Run. Em sua casa, havia um Master System e era possível jogar com o Master System de Ryo. Um jogo dentro de um jogo – literalmente.

Praticamente todos os objetos expostos poderiam ser pegos e analisados. Telefones podiam ser usados. Se discasse um número qualquer, uma voz digna de atendente virtual dizia algo. Se ligasse para um número que tivesse recebido de alguém, alguma informação útil poderia ser obtida. Shenmue então revolucionou os games como desde então nenhum outro game o fez.

Em um dos trechos do game, é necessário fazer com que Ryo arrume um emprego para que possa investigar de perto as ações dos capangas de Lan Di e então chegar até ele e nesse emprego, quem tinha de trabalhar era o jogador.

O jogador levava Ryo ao trabalho no Porto enquanto aproveitava e investigava
O jogador levava Ryo ao trabalho no Porto enquanto aproveitava e investigava

As batalhas

Games de ação tem batalhas, games de RPG tem batalhas e até games de corrida tem batalhas, então, por que Shenmue não teria? O sistema de batalhas de batalhas de Shenmue era baseado em ações indicadas por botões a serem pressionados, método chamado de Quick Time Event. Se fizesse certo, o game continuaria. Se errasse, teria de tentar novamente. Morrer não era uma opção.

Ao longo do game, Ryo vai encontrar alguns mestres de artes marciais que lhe ensinarão alguns golpes e maneiras de se defender. Somente após aprender todos os golpes de todos os mestres, é que Ryo estará pronto para a luta contra seu nêmesis. Para treinar os golpes aprendidos, Ryo possuia em sua casa um dojo particular e um amigo (ou empregado da família).

Shenmue-Ryo
Uma arte que deixará saudades

A continuação

Shenmue estava previsto para ser uma história dividida em vários capítulos. O primeiro game, que vinha em 3 GDs (Giga Disks, discos do tamanho de um CD, mas com capacidade de 1GB. Esta foi uma tecnologia proprietária desenvolvida pela Sega em parceria com a NEC e a Yamaha) foi também o primeiro capítulo. Já o segundo game continha os capítulos 2 a 4.

O segundo game foi lançado apenas no Japão e na Europa e vinha em quatro discos. Também foi lançado alguns anos mais tarde para a primeira versão do console da Microsoft, o XBOX.

Para a época que fora criado, Shenmue custara o mesmo valor de grandes produções cinematográficas americanas, o que inviabilizou a continuação além do segundo jogo.

A nova geração de jogadores infelizmente não conheceu o nascimento dos games atuais e como eles se beneficiaram da criatividade iniciada por Shenmue. Se Shenmue fosse feito hoje com a tecnologia disponível para a indústria dos games, ele seria ainda mais belo, mais emocionante e ainda mais inovador.

Sobre o Dreamcast, alguns jogos atuais recentemente revividos, como Marvel vs. Capcom 2, Sonic Adventure 2, Crazy Taxi e até a franquia Soul Calibur, tiveram seus dias de ouro nesta plataforma.

Falando nisso, Sleeping Dogs…

Sleeping Dogs seria Shenmue III?
Sleeping Dogs seria Shenmue III?

Algumas pessoas consideram Sleeping Dogs uma tentativa de copiar Shenmue devido aos modos de lutas. Um fã de Shenmue e jogador de Sleeping Dogs conseguiu encontrar em uma das lojas disponíveis no jogo uma jaqueta que lembra bastante a jaqueta utilizada por Ryo. Daí, ele então resolveu brincar um pouco mais e fez uma paródia, juntando os QTE’s (Quick Time Events) de Shenmue à ação do jogo em um vídeo. Confira:

Difícil pensar que seria Shenmue III, pois a história no jogo de Shenmue possui um lado muito mais emocional. Além do mais, já sabemos que existe uma sequência na agenda da Sega.

Atualizado: Shenmue está dentro de um projeto de relançamento em HD para PC, XBOX 360 e Playstation 3, segundo o UOL Jogos.

Anúncios

Uma opinião sobre “Recordar é viver: Shenmue, o início da revolução nos games”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s