Atualizado: Lançado o Livro Ubuntu – Guia do Iniciante

 

Capa_Ubuntu_17x24

Atenção: À partir de 10/06/2010 os direitos autorais desta obra pertencem a editora Universo dos Livros e por este motivo, à partir de 04/07 ele não mais poderá estar disponível para download.

Você pode encontrá-lo em redes de compartilhamento e neste link:
http://pt.scribd.com/doc/30740243/Ubuntu-Guia-Do-Iniciante (O Orgulho Geek não compartilha material protegido por direitos autorais).

Em breve a obra estará disponível nas melhores livrarias do Brasil com o nome “Guia prático de Ubuntu” a um preço acessível ou à venda pelo blog Orgulho Geek.

Agradeço a compreensão de todos os visitantes.

Atualizado em 05/05/2010

* Localização da Sede da Canonical corrigida.

É com muita honra e orgulho que estou disponibilizando à todos os leitores do Orgulho Geek um trabalho de quase um mês e com muita colaboração.

O Livro Ubuntu – Guia do Iniciante está disponível para download gratuíto em sua primeira edição e conta com oito capítulos, que tratam desde conceitos básicos para o uso do sistema, como por exemplo, como criar pastas (ideal para quem nunca usou um computador) e como instalar pacotes de codecs multimídia para reprodução de videos, músicas e DVDs, até conceitos básicos de virtualização de Desktops.

Com pleno apoio da revista Espírito Livre, do prof. João Fernando Costa Júnior, até dicas inteligentes de André Gondim, responsável pelo time de tradução do Ubuntu no Brasil e do apoio do prof. Cesar de Souza, este livro tem aquilo que os livros de sucesso editorial têm: Linguagem fácil e informações relevantes.

Neste momento, entra no time de apoio e divulgação também o conceituado Sr. Gilberto Sudré, que, entre outros trabalhos na imprensa capixaba, mostrou seu conhecimento no site Imasters, um dos melhores no Brasil em sua área de atuação. tudo isso para levar aos novos usuários (e aos interessados em começar) do Ubuntu informações úteis acessíveis em uma única obra.

Apoiaram esta iniciativa também o blog Ubuntu Dicas (www.ubuntudicas.com.br), CAVVES (cavves.wordpress.com) e Meu Pinguim (www.meupinguim.com).

Baixe o livro, aproveite e tire as dúvidas, e se desejar, pode divulgar. Aproveitem e leiam conteúdo adicional na revista Espírito Livre, que está em sua 13ª edição.

No mais, meu muito obrigado à todos os envolvidos, àqueles que não citei e aguardem uma muito melhor e ampliada segunda edição.

Atenciosamente

Carlos “Kadu”  Eduardo

Anúncios

89 opiniões sobre “Atualizado: Lançado o Livro Ubuntu – Guia do Iniciante”

  1. Acabo de baixá-lo e lerei com atenção. Parabéns por sua iniciativa e muito obrigado por compartilhar. Abração!

    1. Eu é que tenho de agradecer pelo seu apoio e pela divulgação (inclusive no Orkut).
      Assim me dá mais vontade de blogar cada dia melhor 😛

      Ótima quinta

        1. Já tentei diversas vezes, já instalei os mais recentes adobe e não consigo abrir o pdf do livro. Como faço agora?

  2. São iniciativas como essa que promovem a disseminação da cultura do Software Livre de uma maneira coerente e coeza.
    Além de baixar seu livro, tomei a liberdade de linkar seu artigo em meu site e enviar o anexo para todos os meus parentes e amigos.

    Parabéns.

    Marco Aurélio
    São Paulo/SP

  3. Estou esperando baixar o ubuntu 10.04 e enquanto isso olhei o teu livro.
    Primeiramente, muito obrigado e excelente iniciativa: linguagem acessível, bem detalhado para um usuário iniciante, e a parte do Virtualbox ficou ótima.
    Uso linux há 3 anos e cada vez mais me surpreendo com o mundo do software livre. Recomendarei…
    Grande abraço e sucesso!

    Leo Bragé

  4. Parabéns Kadu, pelo sucesso do livro. Tô ainda preparando uma matéria sobre o Lucid e sobre o Guia. Fiquei o dia todo hoje na migração pro Lucid. Precisando pode contar com o Meu Pinguim. Abraço!

  5. Eu reconheço cada vez mais que a comunidade do software livre é o movimento que realmente alcança o ímpeto do compartilhamento profundo do saber da humanidade. Parabéns pela obra de arte, com certeza será inspiração para a continuidade e até mesmo outras idéias para que o software livre chegue em todas os lares e organizações.
    Daqui estou fazendo minha parte, estamos juntos pela liberdade do conhecimento.

  6. Olá Kadu!

    Primeiro, parabéns pela iniciativa!

    Já baixei seu livro e ainda não o li completamente, mas o conteúdo me parece muito conciso e bem escrito. De qualquer forma, farei aqui o papel do chato com as críticas quando todos elogiam e você teve um puta trabalhão pra escrever e viabilizar tudo.

    1 – Aqui no seu post sobre o lançamento do livro e nas notícias de divulgação falta uma informação muito importante, sob qual licença seu livro está sendo distribuído ?

    Mesmo dentro do livro as informações sob licenciamento estão incompletas, me parece que vc fez uma adaptação de creative commons, mas com restrição total, ficou meio sem sentido.

    Se alguém quiser fazer uma cópia impressa do seu livro e ganhar dinheiro com isso, seja vendendo ou dando aulas com base nele, esse alguém precisa apenas citar vc como autor e mais nada, a sua “licença” atual permite isso sem problemas e não acho que seja lá muito bacana. Me parece mais um copyright meio personalizado e não combina muito com o mundo livre.

    Que tal usar uma licença CC com possibilidade de criação de obras derivadas e uso com citação do autor, além de restrição apenas para uso comercial.

    Mais ou menos assim: -> http://creativecommons.org/choose/results-one?q_1=2&q_1=1&field_commercial=n&field_derivatives=sa&field_jurisdiction=br&field_format=Text&field_worktitle=Ubuntu%2C+Guia+do+Iniciante&field_attribute_to_name=Carlos+Eduardo+do+Val&field_attribute_to_url=http%3A%2F%2Forgulhogeek.net&field_sourceurl=&field_morepermissionsurl=&lang=pt_BR&language=pt_BR&n_questions=3

    Parecida com a da Revista Espírito Livre, só que mais livre … =D

    2- Outra crítica é quanto ao não uso do termo GNU/Linux, como foi usado no prefácio de forma correta.

    Você fala logo no começo que o Ubuntu não é Linux, que este é apenas o Kernel, núcleo do sistema, mas não deixa claro ou explica aos seus leitores que o Ubuntu na verdade é uma distribuição GNU/Linux e deve então ser chamado de “Ubuntu GNU/Linux” em sua forma completa, ou apenas Ubuntu para referência apenas ao sistema em questão e por facilidade.

    Não acho que você deva gastar páginas falando do projeto GNU, mas acredito que seus leitores devem saber antes de mais nada o nome correto do sistema novo e tão lega que eles estão usando. É uma questão de dar crédito a quem o tem e enaltecer a forma colaborativa como o sistema é construído e não apenas uma chatice terminológica.

    Espero que encare as “críticas” como construtivas ou quem sabe apenas sugestões.

    Novamente parabéns pelo trabalho, agora vou ler tudo pra pode indicar com mais precisão para meus clientes e amigos.

    []’s
    Guariní

    1. Sem querer apoiar o chato do Guariní (hehehe), mas tive a mesma impressão a respeito da licença. Ela diz que posso usar, copiar e até vender a obra se citar seu nome, mas não posso fazer obras derivadas, adaptações, mesmo citando a obra original e seu autor. Isso restringe bastante as coisas. Ficou esquisito.

      Abraço

    2. Obrigado., Guarini, pelas dicas e pelo incentivo.

      Quanto às suas questões, elas atendem nececcidades que para eu, no papel de autor da obra considero importantes.

      A primeira trata da questão do licenciamento.
      A obra está corretamente licenciada de acordo com os planos futuros para a obra, assim, posso me assegurar que, caso futuramente uma editora se interesse em publicar o livro, ela terá menos problemas (e me trará menos questionamentos) quando for lançá-lo.

      A segunda questão é o nome do Linux.
      Sei que para usuários Linux que abraçam o projeto com corpo e alma, é importante frisar que ele é GNU/Linux, entretanto, para a maioria dos usuários iniciantes, eles não querem sopas de letrinhas e terminações e coisas. Eles na verdade, em sua maioria para não generalizar, nem querem saber o que é Linux, querem sentar em frente ao seu PC e abrir o navegador, o messenger, o programa de música e um editor de textos ou imagem e pronto.
      Deixei uma pequena explicação sobre o que é Linux apenas para suprir esta necessidade específica, fora isso, não vejo necessidade de me referir ao sistema como GNU/Linux Ubuntu.
      Deixei claro queo sistema é aberto e colaborativo, mas não faço a menor questão de explicar ideologias por trás do projeto GNU. É uma ótima iniciativa, mas Linux é mais bonito, é como todo mundo conhece e é mais amigável que falar GNU, que é grande e tem chifres.

      Desculpe não poder agradar a gregos e troianos, quem sabe na próxima edição eu adicione uma explicação sobre Stallman e o projeto GNU.

      1. Fala Kadu, valeu pela resposta.

        Não querendo continuar o chato, mas já sendo …

        “A obra está corretamente licenciada de acordo com os planos futuros para a obra, assim, posso me assegurar que, caso futuramente uma editora se interesse em publicar o livro, ela terá menos problemas (e me trará menos questionamentos) quando for lançá-lo.”

        Se você pretende publicar seu livro por alguma editora no futuro é melhor mesmo quem sabe seguir um pouquinho algumas dicas.

        A licença do seu livro, atualmente e posteriormente, permite que eu venda esse livro apenas mantendo a citação de que você é o autor, posso usá-lo também em uma escola de informática sem nem você ficar sabendo, e não vou infringir nada por isso.

        Se você quer proteger sua obra tem 2 formas, ou coloca lá que é COPYRIGHT total e que a distribuição é gratuita ou usa alguma outra licença oficial como creative commons com todas as restrições.

        Juridicamente seu livro não tem uma licença válida.

        Quanto ao GNU, não acho mesmo que deva ter explicação alguma sobre o projeto GNU, Stallman e Cia, de forma alguma.

        Sei que o foco do seu livro é, e deve continuar sendo a experiência dos usuários com o Ubuntu e não mude isso mesmo que eu sugira.

        É ótimo termos obras específicas para iniciantes nesse mundo, com linguagem simples e direta, porém, não posso deixar de lembrar você que esse argumento de “todo mundo está acostumado” é coisa de quem usa Windows … “todo mundo ta acostumado com windows”, “windows é mais fácil” e sabemos que isso também não é verdade.

        Todo mundo era acostumado a usar chupeta, e no fim todos que eu conheço perderam essa mania.

        Muita gente está acostumada a chamar o Internet Explorer de “Internet”, quando ele é apenas um navegador.

        A chamar o editor de texto de Word, o mensageiro de MSN e assim vai, se você não mostrar que está errado as pessoas vão chegar no “Linux” dizendo que ele não presta pq não tem Word e não roda aquele joguinho que eu tinha achado o crack.

        Muita gente acha que computador pega vírus, mas na verdade quem pega vírus é o SO.

        Não é uma questão de corpo e alma ou envolvimento com os projetos, o único problema é que, chamar o sistema todo de “Linux” está errado, e acho que você não quer ensinar algo errado no seu livro.

        A minha sugestão é apenas explicar no começo, que o Ubuntu é uma distribuição GNU/Linux, com 3 linhas você faz isso, e depois use apenas Ubuntu mesmo, acho que fica mais justo, mais bonito, mais simples e etc.

        Se as pessoas não querem mesmo saber o que é Linux ou GNU/Linux, elas vão pular essa parte do livro e ir pro capítulo de como ver filmes em RMVB e pronto, é um direito delas. Mas acho que você como autor deve deixar informação correta disponível.

        Se não fosse o GNU, o kernel não estaria compilado, o Ubuntu não teria o Gnome, nem o GIMP, nem o Gwibber entre outros … já pensou ?

        Sua sopa de letrinhas vai ficar mais legal e aumenta apenas 3 caracteres!

        Lembre-se sempre, o Stallman é o cara mais chato e praticamente insuportável que eu conheço, mas se não fosse ele, a gente ia estar aqui debatendo muito provavelmente o lançamento do SP3 do Windows 7 e qual crack funciona melhor … 😉

        Acredite que se eu estou aqui domingão comentando novamente é pq quero ver seu livro melhor!

        []’s

        1. Obrigado, Thiago. Vou mudar a forma de licenciamento do livro como sugerido e vou adicionar GNU/Linux como você também sugeriu.

          Vou upar o arquivo ainda hoje e vou trocar o link no artigo.

          Um abraço

    1. Claro, Lucas.
      O livro é sobre o Ubuntu e não sobre o Open Office. Não sou xiita e sei que o Open Office é bom, mas se eu tenho Wine e uma licença original de Office, que, por acaso, eu gosto, não vejo problemas em criar conteúdo para uma comunidade open source nele, afinal, quem vai tirar proveito da obra é a comunidade.

      Abraço e bom dia do trabalhador

  7. Prezado Carlos “Kadu”, enviamos aqui nossos votos de felicitações pela “Excelente” Livro para a versão “desktop” do Ubuntu , bem como nosso incentivo ‘a continuidade do trabalho. – Quem sabe se no futuro poderemos ter um Livro Sobre UBUNTU SERVER, mesmo que seja em pontos básicos como Proxie, Firewall, Servidor de Impressão, Servidor de Arquivos, Ponto de Backup para Arquivos Estratégicos Pessoais ou Empresariais. Com a sua especialização técnica, com certeza seria um Livro de muito Sucesso e ainda sem similar no Mercado.

  8. Olá, um amigo meu indicou-me o seu blog, me interessei pelo sistema operacional Ubuntu, ao que me parece ele é bem leve e para o meu pc que não é dos mais modernos seria uma boa alternativa.

    Adicionei seu blog a minha lista de indicações no meu blog [http://tubodeensaioxp.blogspot.com/] e farei uma menção sobre ele no meu post de logo mais a noite.

    Parabéns pela iniciativa!

  9. Amigos internautas e ao brilhante Kadu, sou um apaixonado pelo Ubuntu. A menos de um ano estou utilizando esse extraordinário Sistema Operacional, mas foi o bastante para que me apaixonasse. Com ajuda de pessoas como Kadu que incentiva o uso do Software Livre e faz com que aprendamos a fundo o Ubuntu. Desde que saiu a primeira versão beta que aguardava com muita ansiedade a versão final. Ela saiu e já instalei e estou cada vez mais maravilhado com o Ubuntu. Seguro, bonito e Livre. Vou estudá-lo mais ainda com o Guia do Iniciante. Parabéns Kadu.

  10. Ola tudo bom Kadu?
    ficamos grato pela atenção a pessoas com pouca informação sobre o que é linux, essa apostila esta muito facil entender e com linguagem não muito técnica, qualquer pessoa entederar suas explicações, quer dizer sua atenção em traduzir essa apostila era o que precisava para nós pessoas que não temos conhecimento de onde tirar essas apostilas e montar um site para divulgação.
    Só temos é agradecer, a toda sua equipe.
    Vlew

  11. Muito boa a iniciativa, mas parei logo quando ví que você falou que a Sede da Canonical fica na ilha de Man, na AFRICA DO SUL. Na verdade, a Ilha de Man fica na INGLATERRA.
    Outro ponto e que, no início dá-se a entender que o Linux é imune a Virus. Isto não é verdade e cria falsa ilusão nas pessoas.

    Agora, se corrigiu estas partes me desculpe, mas a intenção é sempre ajudar.

    1. Realmente, existe o erro. A ilha de Man é localizada no Reino Unido. As coisas ficaram meio confusas neste ponto, quando a Canonical é uma empresa fundada pelo sul africano Mark Shuttleworth, mas sua sede é na Ilha de Man, no Reino Unido.

      Quanto a informação de que Linux é imune a virus, também errei neste ponto. Peço desculpas por ter expressado a ideia de forma errada. O Linux realmente é “quase” imune a vírus.

      Obrigado por apontar meus erros nos comentários do blog. Eles foram corrigidos e o livro estará disponível para download com as correções as 0:00hs de 05/05.

      Grato

      Atenciosamente

      Carlos “Kadu” Eduardo

  12. Comecei a usar linux pra valer a coisa de 15 dias por pura insistencia do meu filho e estou adorando a experiencia! Ja estou querendo dar adeus mesmo ao seven que tenho em dual boot aqui no meu hd! Valeu pelo belo livro! Vai ser de grande valia no meu iniciar aqui! Heleno.

    1. Heleno, uso Linux há uns 3 anos e ele se supera a cada edição. Agora, então, com o lançamento do maravilhoso 10.04 e este Guia fantástico, ficou melhor ainda mostrarem às pessoas que dá para usar o Ubuntu.

      No entanto, pense bastante antes de abandonar o dual boot, pois, infelizmente, ainda há programas que só rodam no Windows. Eu, por exemplo, tive uma imensa dor de cabeça para poder usar o internet banking da Caixa, o que me obrigou a ir a uma agência para “atualizar” meus dados, etc. e tal.

      Outra coisa crítica é o uso de certificados digitais que, diga-se de passagem, não funcionam direito nem no Seven (exceto o ultimate e o professional) e rodam 100% só no XP.

      Por fim, estou apenas compartilhando uma experiência que acho válida e, inclusive, faz parte do espírito da comunidade linux que é a ajuda mútua.

      No mais, deixe o Seven, para emergência, e abraçe seu Ubuntu, com certeza não irá se arrepender.

      1. Reinaldo, existe a questão de espaço em disco, que algumas vezes torna inviável o uso de dois sistemas operacionais (ainda mais o Windows, que “incha”).
        A solução mais prática para uso de programas e sites “only for Windows” é a virtualização de sistemas ou de processos, com o VirtualBox, por exemplo.
        Eu sou gamer e os jogos que gosto só rodam em Windows. Por enquanto estou sem minha diversão (migrei para o Ubuntu de vez no dia 30 de abril), que é jogar, mas estou aguardando com fé o Steam para Linux e a melhoria dos drivers e dos processos do Wine para brincar.

        Neste caso é mais que indicado manter os dois sistema. Fora isso, dá continuar com o Ubuntu e manter uma virtualização do XP se desejar.

        Abraço pra vocês, galera

  13. Infelizmente não estou conseguindo fazer o download da revista. Sempre quando chega em 4.4Mb baixados ele trava e cancela o processo. Mas vou continuar tentando. Falando nisso, esse blog é muito show, gostei muito mesmo dele. Já está salvo em meus favoritos. Abraços.

    1. Felipe, fiz o teste em meu micro e no micro de minha mãe e o download ocorreu sem problemas.
      Sugiro que faça com o botão direito do mouse sobre o link e escolha a opção “Salvar link como…”

  14. Já usei várias distros Linux, desde das primeiras versões Slackware, Red Hat, Debian, Kurumin, Mandriva e Ultimamente Ubunto como Desktop padrão e Slackware e Ubuntu server para “brincar um pouco”. E tenho certeza que nunca peguei sequer um rootkit. Então para mim o Linux é imune sim, até que provem ao contrário. Ou será que Linux pega vírus pelo ar?!?!…… Acontece que tudo que entra no no SO Linux aqui é auditorado e são feitos testes de md5sum ou mesmo SHA1. Podem dizer que é febre de louco fazer estas coisas, mas nem mesmo uma invasão com êxito no servidor aconteceu. E até rastreei o ip de algumas tentativas que vieram da bolivia, argentina e peru, onde mandei um email para estes e retornaram dizendo que não sabiam de nada que estava acontecendo até então (verdade?). Coitados estavam sendo usado como cobaias. Interessante que não tinha nenhum do Brasil, ou os brasileiros estavam usando os nossos vizinhos.

  15. Parabéns pela excelente iniciativa. Há tempos que procurava por algo assim. Este é um livro de grande importância e vem para ajudar a muitos usuários do Ubuntu. Muito obrigado por disponibilizar para toda a comunidade.

  16. Eu já tinha baixado o guia desde seu lançamento. Como já sou usuário do “bixim” há algum tempo passei os olhos e achei beeem interessante para iniciantes. Mas o vi com os olhos de um usuário com certa (e boa experiência). Cheguei até colocar um link em meu site pare ele.
    Recentemente, minha namorada adquiriu um netbook só para ele. Ela finalmente pode usar o GnuLinux de que tanto falo bem num pc só dela (a experiência que ela tinha era usando o meu, mas já todo “configurado”, mamata). Ela fez questão de fazer tudo sozinha desde a instalação, o que achei ótimo. Fui dando os toques, e achei que ela tinha que saber os “comando básicos” via terminal,nem que fosse só para entender o que estava fazendo graficamente. Dei os toques e lembrei do guia. Mostrei para ela.Muito bom. Mas a ordem de certas coisas a fez me fazer algumas perguntas que achei bobas e na verdade foram coisas que um usuário do “janelas” talvez entendesse, só que talvez um usuário virgem de qq SO tenha alguma dificuldade sem recorrer a uma ajuda externa. è aquele caso do como está escrito o texto e não seu conteúdo talvez o usuário dê uma googleada e quando achar a resposta até se sinta estúpido pq estava na frente dele.Sei que ele acabou de sair do forno para as bancas e a versão que tenho aqui é primeirona e não sei se a que está sendo vendida sofreu alterações. Mas se interessar numa próxima revisão posso dar meus palpites estou a disposição. E deixo claro, não sou da área de informática, sou só um usuário comum que usa 100% o SO, então minha opinião não é no conteúdo. Abs e desculpe o longo texto. De um entusiasta do Pinguim Chifrudo.

  17. Boa noite.
    Bem tentarei simplificar o porque não migrei ainda para o Ubuntu, amigos não existem palavras para descrever o ubuntu, ele é tremendo, gostei de tudo, tem tudo o que que o windows me oferece, bem a unica coisa que me deixou um pouco desapontado foi que minha webcam fica escura, a partir do ano que vem irei investir em uma placa de video pois gosto muito de jogos e fico com medo pois o linux não é compativel com alguns jogos( me corrige se eu estiver errado), outra maravilhosa vantagem do linux é que não preciso de anti-virus, desfragmentar o hd, e uma serie de programas que só faz o hd ficar cheio.Será que vou ter que comprar outra webcam compatível com linux, o linux não que seja dificíl de usar mais também nao é fácil, estou disposto a sim migrar do windows para o linux e ser livre de verdade, bem deixo aqui uma opinião não relevante apenas para ser analisada, eu acho que as pessoas ainda não optaram ainda em usar lo linux pois elas tem preguiça, de se envolverem em algum projeto que faça o bem a uma comunidade, país etc.O linux é um projeto que começou pequeno, e creio eu que num futuro não muito distante seja “O Sistema Operacional”.Ubuntu FOREVER.

    1. Boa noite, Jean.

      Bem, vamos ao caso.

      O Ubuntu realmente é muito bom, bonito e oferece tudo o que um usuário NÃO-GAMER precisa para as tarefas mais corriqueiras, como ouvir músicas, assistir filmes, navegar na internet, usar redes sociais, assisir videos no Youtube, criar e editar documentos de textos, planilhas e apresentações, e outras opções livres via download, como editores de imagens, vídeo e audio, maaaas, (tudo tem um mas…até o Mac OS tem um mas)…análise abaixo:

      O fato do Linux não apresentar uma grande base de usuários, empresas de softwares (incluindo games) não têm interesse em portar seus aplicativos e games para o Linux (e consequentemente o Ubuntu), e como num círculo vicioso, muita gente não migra para o Linux por não haver nesta plataforma seu jogo/editor de imagens/player de música/whatever preferido. Com isso, o Linux cresce em funcionalidades, segurança, qualidade, identidade visual e beleza, mas tudo isso é notado, na maioria das vezes, apenas pelos usuários que já tiveram contato com a plataforma (pessoas que usam, usaram ou conheceram através de amigos/escola/trabalho/etc).

      Sabemos que o Linux ainda é uma opção pouco visada pelas empresas devido a sua grande fragmentação (num mercado onde existem 15246225413164589 distros Linux e 25174516541 baseadas em Ubuntu as escolhas ficam difíceis), pois as software houses teriam de empacotar seus softwares para diversas distros, modificar partes de seu software para se adequar às diversas interfaces (GNOME, KDE, LXDE, XFCE, Xwindow, whatever). Enfim…o preço da liberdade é isso.

      Embora o Linux apresente uma arquitetura mais robusta, estável, segura e eficiente que as opções proprietárias, ele não apresenta um market share convicente, e por isso, bons games são raros, além dos melhores utilizarem DirectX, que é propriedade da Microsoft e não possui similar em outros sistemas senão o Windows.

      Falando de sua Webcam: Verifique as opções de configuração da Webcam dentro do programa de bate-papo que você utliza (lá pode haver a configuração de brilho/contraste). Baixe o cheese (um programa que permite tirar fotos com a Webcam) pela central de programas e experimente a webcam com ele. Se não der certo, procure drivers compatíveis com Linux de sua webcam, ou confira se o Ubuntu oferece o driver via update através dos menus Sistema > Administração > Drivers adicionais.

      Espero ter esclarecido dúvidas suas e de muita gente.

      (E isso tudo daria um post inteiro)

      Abraços

      1. Uma solução para jogar e ainda ter o Ubuntu é a que eu uso e vou dar meu exemplo:

        Tenho 4 HDs.

        Em um, NTFS, deixo minhas músicas, documentos, imagens, etc., e a a pasta Program Files do Windows
        No segundo, deixo o Windows instalado com o mínimo de programas possíveis e uma partição de arquivos de downloads (que são muitos, sempre)
        No terceiro, deixo apenas vídeos (320 GiB só de vídeos)
        No quarto, deixo o Ubuntu instalado em uma partição e a pasta home separada em outra partição. Fica uma beleza e vou explicar por que.

        Meus HDs com Windows e Ubuntu ficam virados para fora de minha CPU (no lugar dos drives de disquete. Um fica desligado (o do Windows). Quando quero jogar, simplesmente desligo o sistema, desligo os cabos de alimentação e Sata do HD do Ubuntu e os ligo no HD do Windows e pronto.Voilá. Games à disposição.

        Lembra que deixo a pasta Program Files em outro HD, que não tem o Windows instalado? Pois é, isso faz com que o desempenho dos games sejam muito melhor do que se estivessem rodando no mesmo HD que o Windows.

        Ao final, depois da jogatina, saio do Windows, volto com os cabos para posição do HD do Ubuntu e pronto. Estou de volta ao meu território.

        UFA!

  18. oi..
    muito bom o livro e fico feliz da sua iniciativa. mas agora ele não será livre.
    voce nao pode negociar com a editora pra deixar a licença livre? muitas pessoas gostam de livros físicos e irao comprar do mesmo jeito tendo um pdf em casa.
    achei meio foda vc fechar depois de muitos usuários se beneficiarem dele.
    opiniao pessoal.

    1. Concordo com você, Saulo, o livro realmente deveria ter continuado livre.
      Por outro lado, quando comecei o projeto do livro, foi pensando exatamente nos dois usuários (senhores aparentando mais de 45 anos) que foram à livraria que eu trabalho procurando um livro atualizado sobre o Ubuntu que os ensinasse a como ver seus filmes em DVD.
      Claro que achar esse assunto na net é muito fácil, mas eu queria me certificar de que este tipo de pessoas que não sabe como encontrar um conteúdo na internet ou não tem tempo de realizar longas buscas, tivesse um eficiente meio de aprender sobre o Ubuntu. Nada melhor que um livro impresso.

      Coisa que no começo me deixou um pouco frustrado foi o fato de espalharem o conteúdo do livro em sites de leitura online, de forma que eu não tinha a possibilidade de mensurar a quantidade de downloads do livro. Não sabia quanta gente estava tendo acesso a ele. Mas depois caí na real de que isso não importa, o importante é que existem outros meios de ter acesso ao livro sem ser pelo blog do autor.

      Estou trabalhando num novo livro, mas ainda tenho as dúvidas se o faço com o Ubuntu 11.04 ou deixo para concluir com o 11.10 devido as mudanças serem um pouco grandes entre essas versões e o fato do 11.04 já estar disponível há quase um mês, mas uma certeza existe: Seus direitos não serão vendidos.

      Outro

      1. Kadu,

        Eu nao julgo mal a iniciativa de vender. acho que o trabalho foi seu e [e seu direito. mas nao existe uma alternativa intermediario onde vc recebe pelo direito da empresa imprimir o livro e ainda vc pode distribuir em pdf na internet sem custos?
        isso eh uma pergunta mesmo..

        esse seria o melhor dos mundos. bom pra vc, bom pra editoras, e bom pra quem nao pode comprar um livro nesse pais de livros carérrimos.

        abs.

        1. A alternativa existe sim, Saulo, mas falta existir alguma empresa que se interesse neste tipo de negócio.

          Pense comigo: Você, se fosse dono de uma editora, realmente iria gastar (investir) alguns milhares de reais imprimindo um livro que custasse 25, 30 ou 40 reais nas lojas (com pelo menos 30% desse valor em custos de produção) e esse livro estivesse disponível para download gratuitamente pela internet, de forma que as pessoas teriam a possibilidade de imprimí-lo e tirar cópias dele e espalharem por ai sem você receber nada por isso? Você acha mesmo que esse livro venderia?

          Nós gostaríamos muito que o mundo fosse assim, Saulo, mas isso é muito irreal.

    1. Estou nessa dúvida. Já printei (tirei as printscreens utilizadas na documentação para o livro) o Ubuntu em aproximadamente 75% do sistema (programas, janelas, comportamento da área de trabalho e tal).
      Resta escrever sobre os programas, comandos de terminal e aguardar até o beta1 para poder colocar mesmo a mão na massa, mas já estou decidido a fazer o trabalho focado no 11.10 devido ao fato dele ser uma melhoria do 11.04 e ainda de trazer tecnologias inéditas ao Ubuntu (versão Main).

      Tem alguma sugestão de melhoria?

  19. eh, infelizmente acho que eh assim mesmo na vida real. mas eu compraria por 40 reais por exemplo com um acabamento mais bem feito, com paginas coloridas ou semi-coloridas, como um bom manual de iniciante como o seu.
    eh como pra criancas, quanto mais imagens melhor… uma impressao qualquer do pdf na maioria as pessoas fariam em preto e branco, pois imprimir color em grafico é caro.
    no caso de sugestoes pro manual ubuntu 11.10 eu sugiro esperar pois o unity ainda nao tá muito 100%, ainda falta refinamentos, integracao, talvez até troquem pra Chromium o browser, e tudo o mais. o que vc pode bater forte no novo livro é as integracoes dos softwares com o sistema, como o banshee no icone de volume, o compiz (que é uma das razoes que eu to usando ubuntu,e que consegui migrar do windows pro linux – sem isso no way), a integracao do evolution com servicos como gcalendar, o gwibber integrado.
    nao sei se no outro livro vc comentou das outras distrro kubuntu, xubuntu. mas é sempre bom comentar um pouco.
    é isso, se quiser uma ajuda, no que for possível posso te ajudar, lendo, dando idéias, revisando o seu novo livro.
    e mais uma pergunta… um pouco mais complexa… faco um trabalho voluntario pra CDI comite de democratizacao da informatica. quero comecar a fazer a introducao ao linux alem do windows, excel, word, broffice, etc pra os alunos das comunidades. é possivel vc conceder o direito de eu usar o livro do 10.04 ou vc nao tem mais esse poder? consegue algo pra eu usar?
    fica com meu email marcado, precisando de alguma ajuda, é só contatar. estou aí para ajudar na difusão do ubuntu.
    abracos.

    1. Obrigado pelo apoio, Saulo.
      Gostaria muito de poder falar “Pode usar o material à vontade”, mas realmente não cabe mais a minha pessoa dizer isso.
      Posso sugerir que você entre em contato com a Universo dos Livros e veja essa possiblidade, já que o material está esgotado e eles não dão feedback de quando sairá uma nova tiragem.

      No mais, se quiser aguardar, tenha certeza que tudo o que você sugeriu já está nos planos para o próximo e não ficará de fora.

      Abraço

  20. eu tenho o windows 7 e quero trocalo para o linux, Amigos como eu desistalo o windows 7 e coloco o linux Ubuntu obrigado se podese me dar um passo a passo ou um link

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s